A busca pela beleza

Não é de hoje que eu gosto da Carla Bruni, ex-primeira dama da França e ex-modelo. Durante o tempo em que estudei francês, eram as músicas dela as que eu mais ouvia. De lá pra cá, acompanho suas entrevistas quando posso e a considero uma mulher muito bonita, cheia de atitude e inspiradora.

naousamosapenasrosa.blogspot.com.br

E minha intenção não é discorrer sobre as suas atividades filantrópicas ou o quanto ela custou para o estado como primeira-dama, mas sim sobre uma entrevista que a atual cantora cedeu à Veja. Em uma das perguntas da jornalista Tatiana Gianini, Bruni respondeu:

“A beleza, depois de certa idade, está muito mais ligada à elegância, à simpatia e à inteligência. Até os 35 anos de idade, mesmo uma pessoa desagradável pode ser considerada bonita. Depois, não mais.”

O escritor e jornalista Fabrício Carpinejar continua com o discurso em seu blog: “Depois o que ilumina a pele é se ela é amada ou não, se ela ama ou não, se ela é educada ou não, se ela sabe falar ou não. Depois dos 35 anos, a beleza vem do caráter. Do jeito como os problemas são enfrentados, da alegria de acordar e da leveza ao dormir. Depois dos 35 anos, o sexo é o botox que funciona, a amizade é o creme que tira as rugas, o afeto é o protetor solar que protege o rosto. A beleza passa a ser linguagem, bom humor. A beleza passa a ser inteligência, gentileza. Depois dos 35 anos, só a felicidade rejuvenesce.”

Isso me fez pensar sobre a constante busca pela perfeição. Buscamos sempre o melhor, o máximo de nós, e muitas vezes travamos nossos sonhos e sofremos por não conseguirmos atingir expectativas altas demais, que impomos a nós mesmas. Mas e se buscarmos a beleza? Essa beleza de depois dos 35 anos?

Eu proponho que hoje você não busque a perfeição, mas a beleza. A beleza da rotina, a beleza das derrotas, das atitudes, da educação. A beleza da colaboração, da transformação. A beleza que é ficar mais velho, a beleza da vida bem vivida. Se você encontrar essa beleza, seja aos 20 ou aos 40, mulher, aí você alcançou a perfeição.

Amanda Riesemberg é publicitária, formada no Centro Universitário Curitiba. Fundadora da Nossa Causa  – Agência de Transformação Social, luta pelo crescimento do voluntariado, das atividades filantrópicas no país e da profissionalização do terceiro setor. Voluntária no Instituto HUMSOL, foi uma das 15 brasileiras convidadas para o Programa de Intercâmbio de Empoderamento Feminino realizado nos Estados Unidos em 2012. Trabalhou com projetos sociais como Esta vaga não é sua nem por um minuto, Outubro Rosa, Ciclista Legal e Antonina Weekend.

0 Comentário

  1. theresatullio@gmail.com'
    Theresa Tullio 5 de agosto de 2013 10:25 Responder

    Querida Amanda:
    Obrigada pelo belo artigo. Tomo a liberdade de compartilhar em uma de minhas páginas, a Slow Life Vida Simples, que divulga iniciativas e atitudes voltadas para o que realmente importa.
    abraços e parabéns pelo belo trabalho,
    Theresa Tullio

    • araujo.mad@hotmail.com'
      Cristina Doudement 5 de agosto de 2013 15:04 Responder

      Muito feliz esse seu artigo!!! A verdadeira beleza de uma mulher é o que ela traz dentro de si, e com certeza o tempo nos faz mais bonitas, mais maduras, e o coração alegre embeleza o rosto diz um lindo provérbio Bíblico.
      Obrigada e um bj ROSA

      • amanduxi@gmail.com'
        Amanda Riesemberg 6 de agosto de 2013 14:01 Responder

        Olá meninas,
        Muito obrigada pelo feedback! Fico super feliz quando meus texto impactam as mulheres, não me importando a quantidade, mas sim a força com que minha palavras são entendidas.
        Acompanhem sempre o blog, escrevo uma vez por mês e vocês sempre são bem-vindas 😉

        Deixe um Comentário

        O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

        *

        dezoito − cinco =