A busca pela beleza

Não é de hoje que eu gosto da Carla Bruni, ex-primeira dama da França e ex-modelo. Durante o tempo em que estudei francês, eram as músicas dela as que eu mais ouvia. De lá pra cá, acompanho suas entrevistas quando posso e a considero uma mulher muito bonita, cheia de atitude e inspiradora.

naousamosapenasrosa.blogspot.com.br

E minha intenção não é discorrer sobre as suas atividades filantrópicas ou o quanto ela custou para o estado como primeira-dama, mas sim sobre uma entrevista que a atual cantora cedeu à Veja. Em uma das perguntas da jornalista Tatiana Gianini, Bruni respondeu:

“A beleza, depois de certa idade, está muito mais ligada à elegância, à simpatia e à inteligência. Até os 35 anos de idade, mesmo uma pessoa desagradável pode ser considerada bonita. Depois, não mais.”

O escritor e jornalista Fabrício Carpinejar continua com o discurso em seu blog: “Depois o que ilumina a pele é se ela é amada ou não, se ela ama ou não, se ela é educada ou não, se ela sabe falar ou não. Depois dos 35 anos, a beleza vem do caráter. Do jeito como os problemas são enfrentados, da alegria de acordar e da leveza ao dormir. Depois dos 35 anos, o sexo é o botox que funciona, a amizade é o creme que tira as rugas, o afeto é o protetor solar que protege o rosto. A beleza passa a ser linguagem, bom humor. A beleza passa a ser inteligência, gentileza. Depois dos 35 anos, só a felicidade rejuvenesce.”

Isso me fez pensar sobre a constante busca pela perfeição. Buscamos sempre o melhor, o máximo de nós, e muitas vezes travamos nossos sonhos e sofremos por não conseguirmos atingir expectativas altas demais, que impomos a nós mesmas. Mas e se buscarmos a beleza? Essa beleza de depois dos 35 anos?

Eu proponho que hoje você não busque a perfeição, mas a beleza. A beleza da rotina, a beleza das derrotas, das atitudes, da educação. A beleza da colaboração, da transformação. A beleza que é ficar mais velho, a beleza da vida bem vivida. Se você encontrar essa beleza, seja aos 20 ou aos 40, mulher, aí você alcançou a perfeição.

Amanda Riesemberg é publicitária, formada no Centro Universitário Curitiba. Fundadora da Nossa Causa  – Agência de Transformação Social, luta pelo crescimento do voluntariado, das atividades filantrópicas no país e da profissionalização do terceiro setor. Voluntária no Instituto HUMSOL, foi uma das 15 brasileiras convidadas para o Programa de Intercâmbio de Empoderamento Feminino realizado nos Estados Unidos em 2012. Trabalhou com projetos sociais como Esta vaga não é sua nem por um minuto, Outubro Rosa, Ciclista Legal e Antonina Weekend.

Leia Mais

O empreendedorismo do Elefante Cor-de-Rosa

Meu artigo de estreia para o Empreendedorismo Rosa não poderia ser mais sugestivo e completamente adaptável aos dias de hoje. Sabe aquela história e musiquinha do “Um elefante incomoda muita gente”? Pois bem, eu cheguei a conclusão que um elefante ROSA incomoda muito mais. Certamente algumas pessoas não vão entender logo de cara o que eu quero dizer, outras pessoas talvez vão criticar, e muitas outras vão se identificar com o meu ponto de vista.

                                      Fonte de Imagem: Google

Estou no Empreendedorismo Rosa há quase 6 meses, quando recebi o convite para ser colunista e compartilhar um pouco das minhas ideias sobre empreendedorismo, mercado de consumo e varejo, áreas no qual sou apaixonada e comecei a empreender com 15 anos de idade.

Sou uma jovem empreendedora nata, que não gosta de fazer média com ninguém, que fala sempre a real independente do aspecto político, e que, aliás, a analogia de “pisar em ovos” nunca foi a minha prática fiel, e eu acredito que sem querer deu muito certo, pois os meus atuais clientes, parceiros, amigos e meu time gostam muito desta minha característica.

Mas eu quero expor algo curioso que aconteceu comigo nesta trajetória aqui no Empreendedorismo Rosa. Logo quando comecei a abraçar o movimento e mais do que isso, quando comprei de verdade a ideia e causa do ER, até mesmo por acreditar que causas ligadas ao empreendedorismo feminino e até masculino deveriam fazer cada vez mais parte do sistema educacional brasileiro; logo que entrei para o grupo fiquei apaixonada pelo projeto e muito mais pelas pessoas, pela quantidade de histórias que conheci e aprendi, seja de mulheres ou de homens. SIM! Para quem não sabe, nós temos muitos homens envolvidos nesta causa. Mas voltando ao foco, como tudo nesta vida que é bom, sempre pode vir acompanhado também por algo não tão bom, eu comecei a incomodar. Verdade! Eu comecei mesmo a incomodar outros movimentos que existem e que ao invés de compartilharem, colaborarem e juntarem-se a nossa causa, optaram por criticar a nossa iniciativa ao projeto, que vamos deixar bem claro, somos todas colaboradoras que não ganhamos 1 centavo para defender e/ou ajudar a disseminar nosso maior objetivo: o empreendedorismo no Brasil.

Mas por ironia do destino, ou até por acaso, apesar de eu não acreditar em coincidências, eu achei bizarro que comecei a incomodar por fazer parte de um projeto tão importante, tanto quanto muitas outras iniciativas, só por carregar o nome ROSA na marca. E achei engraçado principalmente, porque eu mesma não uso uma peça de roupa ou acessório da cor ROSA há pelo menos 20 anos. Sabe, eu não gosto muito da cor, acho que minha mãe me vestiu tanto de rosa quando criança, que acabei enjoado e atualmente não uso ROSA.

Mas então, alguns devem se perguntar “Por que ela faz parte de um movimento de empreendedorismo chamado EMPREENDEDORISMO ROSA?”. É simples e eu faço questão de expor isso a todos. Eu acredito que independente do nome “rosa”, um empreendedor de verdade, deve excluir totalmente de sua vida pré-conceitos ou atitudes bobas no sentido de “quem aparece mais” ou então: “se você faz parte do clube x não poderá fazer parte do clube y”.  Eu aprendi, nestes últimos anos, que o mercado é tão grandioso e tão pequeno ao mesmo tempo, que a atitude da colaboração, trocas, experiências e engajamento precisam ser cada vez mais colocadas em prática.

Por outro lado, percebo que o assunto “empreendedorismo” virou modinha. Agora todo mundo quer empreender, virou quase carreira fashion onde a disputa nas passarelas é acirrada. Mas quero, posso e vou fazer a minha parte dentro do movimento Empreendedorismo Rosa, independente do nome ROSA e de qualquer moda ou crítica que eu possa receber e sabe por quê? Porque eu quero deixar a minha marca no mundo e compartilhar um pouco da minha experiência, de uma jovem que começou a empreender com 15 anos de idade e que nem sabia que isso se chamava empreendedorismo. De uma pessoa que descobriu na pele que empreender com muito dinheiro ou com a famosa síndrome do coitadinho é muito fácil, quero ver é empreender sem grana, sem grandes batalhas, com luta e garra para se atualizar, com estômago de avestruz para investir tempo e dinheiro em ideias e, além disto, correr atrás o tempo todo com coragem e força para realmente fazer a diferença na vida das pessoas e de toda uma sociedade, sem blá-blá-blá, jabá e principalmente, sem precisar matar ou corromper ninguém.

O meu maior objetivo aqui é dizer para você não se incomodar com críticas, porque elas vão fazer parte do seu dia a dia, principalmente quando a felicidade e o sucesso estão virando (ou já viraram) a esquina e são percebidos por outras pessoas que poderiam estar com você compartilhando, disseminando e aprendendo um pouco mais sobre atitudes colaborativas, no maior objetivo de “juntos somos mais fortes”.

Para fechar o meu artigo de estreia, vou deixar um recado: se você está empreendendo em qualquer área, com qualquer projeto, seja você homem ou mulher, não desanime nunca quando as críticas surgirem. Se alguém dizer que o seu projeto, atitude ou escolha de movimentos e causas, principalmente as que carregam o nome ROSA são ruins, encare isso como um superdesafio e oportunidade porque estas críticas podem alimentar a maior vantagem competitiva que qualquer empreendedor, empresário pode ter: coragem e vontade de fazer acontecer!

Independente de qual movimento, grupo, ideia, projeto, comunidade ou clube você faça parte, nunca se esqueça disto, e se for possível, tente integrar e se engajar com todas as pessoas e todos os movimentos que existem e que são sérios. Ah, e lembre-se sempre da famosa musiquinha: “Um elefante incomoda muita gente” e complemente cantando que: vários elefantes independentes da cor, sexo e perfil podem incomodar muito mais! O que importa é que a sua atitude de se engajar em causas reais e positivas pode te diferenciar no mercado.

Bia Rodrigues é especialista em diversos setores da cadeia de valor Brasileira e global, fundou o GCDV-GRUPO CADEIA DE VALOR. Pós-graduada em administração estratégia e negócios pela FIA USP, graduada em comunicação social e Marketing pela UNIB e ESPM. Idealizadora da Associação Brasileira de Jovens Consumidores coligada a fundação Procon. É conselheira técnica em associação e entidades de classe dos setores de tecnologias, varejo, indústrias, atacadistas, distribuidores e operadores logísticos. Faz parte da diretoria da Associação Brasileira de logística e é a member mais jovem da entidade americana NRF – National Retail Federation no Brasil, responsável por idealizar missões internacionais aos USA e importantes eventos para setores da cadeia de valor Brasileira.

Leia Mais

Amor, tempo e morte: O que te conecta ao outro?

Por Tati Verri

“Amor, tempo e morte: Essas três abstrações conectam todo os seres humanos da terra”  – Beleza Oculta

Dia desses assisti ao filme Beleza Oculta, tiveram críticas positivas e negativas, mas o que quero compartilhar  não é sobre o desenrolar da trama, o que me chamou a atenção é como o triângulo central amor, tempo e morte reflete toda a nossa existência, mesmo que não tenhamos consciência disso.

“Amor, tempo e morte: Essas três abstrações conectam todo os seres humanos da terra”. Foi com essa frase que o filme me prendeu em pensamentos e me fez pensar sobre a vida.

 

Fonte da Imagem: Host Geek

Fonte da Imagem: Host Geek

O primeiro da nossa lista é o amor, ah amor! Sentimento tão romantizado pelas culturas em geral. Mas amor é mais do que um sentimento entre casais, você precisa ter amor na vida! Ame sua família, amigos, trabalho, hobbies, flores, SE AME, enfim, AME tudo o que envolva seu sentimento mais sincero, sua paixão maior. Nós ansiamos por amor na vida, precisamos desse sentimento em tudo o que fazemos, trabalhar com o que amamos, casar com quem amamos, aprender o que amamos, nos amar verdadeiramente. É esse sentimento mais puro que buscamos a todo instante, em qualquer situação. O amor é o que rege a nossa vontade de estar, de ser e de viver.

Tempo, o que é tempo para você? O tempo é relativo, eu sei é clichê, mas é real, pare e pense, 1 ano para você com certeza não passa na mesma velocidade do que para uma criança de 6 anos. Quanto mais crescemos, temos mais a sensação de que o tempo está “voando” , é uma regra natural da vida. Sabendo que o tempo é relativo e que todas nós queremos mais desse bem precioso (quem nunca resmungou “preciso de mais tempo”?), nos resta perguntar: Para que você quer mais tempo? O que você tem feito com ele? Como você tem aproveitado o seu presente diário? O tempo não vai mudar, o que pode mudar é como você o aproveita. Quando estiver fazendo algo faça com consciência, se estiver com alguém, esteja de verdade. Esteja presente no seu presente, valorize seus momentos, até um trânsito ferrado na hora de ir para casa pode ser bem aproveitado se você prestar atenção nos detalhes da vida, se prestar atenção em você.

Agora vem a tão temida morte, é por conta dela que ansiamos o amor e que desejamos ter mais tempo. Quantas vezes já não escutamos “preciso fazer isso antes de morrer”? A morte faz parte da vida e pode ser mais abrangente do que apenas a morte de alguém. Uma cultura, um sentimento, um sonho, tudo isso pode morrer. Mas nem por isso a morte é algo ruim, que você deva amaldiçoar e ter pavor. A morte pode te ensinar muito, te ensinar a dar valor as pessoas que ama, aproveitar os detalhes da vida e ser uma pessoa melhor por exemplo. Tudo depende de como você a vê. Aproveite ao máximo cada momento da sua vida, sua família, seus passeios, seus aprendizados e você não precisará ter medo da morte.

Trazendo as palavras de Howard: “nós ansiamos o amor, desejamos ter mais tempo e tememos a morte”. Tudo em nossa vida se reflete nesses 3 pontos, esse triângulo é o que nos conecta não só a pessoas, mas nos conecta com nós mesmas.

Conecte-se!

Leia Mais

Epistemia: Você sabe o que é?

Por Polímatas

O Epistemia é uma oportunidade para pessoas interessadas em empreendedorismo fazerem perguntas abertas para empreendedores, investidores e executivos responderem com o que aprenderam na prática do mundo dos negócios. A segunda edição do evento acontece no dia 26 de abril em Curitiba.

epistemia facebook-cover

O Epistemia foi construído a partir da premissa que os participantes do evento sabem melhor o que precisam aprender. Em vez de ter palestras que falam sobre temas que talvez não resolvam o problema de quem está ouvindo, o formato é totalmente direcionado para que se realizem perguntas para tirar dúvidas sobre gestão, negócios e empreendedorismo. Os convidados para compartilhar seu conhecimento são donos de pequenos negócios, investidores profissionais e diretores de grandes empresas que responderão com base no que aprenderam na prática. O Epistemia não é recomendado para pessoas interessadas em palestras e em conhecimento teórico.

Quem define o conteúdo do Epistemia são os próprios participantes. Os seis convidados do evento são divididos em dois painéis com 3 pessoas cada. Eles tem 5 minutos cada para se apresentar e, na sequência, respondem as perguntas sobre gestão e negócios de quem está presente no evento. Não existe seleção prévia dos questionamentos. Quem quiser participar coloca o seu nome em uma lista e, na sua vez, faz a pergunta que julgar pertinente para o painel de convidados.

A lista de convidados para esta edição do Epistemia é a seguinte:

  • Leonardo Jianoti, co-fundador da Curitiba Angels, grupo de investidores anjo especializado em startups e negócios de alto crescimento.
  • Marcos Franco, diretor de marketing da RPC, afiliada da Rede Globo com mais de 5 milhões de telespectadores diários.
  • Maycon Aram, criador da Cafeteira Aram, uma das 10 maiores campanhas da história de crowdfunding Catarse.
  • Lila Beirith, co-fundadora da Coletive, a primeira aceleradora de canais de YouTube do país.
  • Ariane Santos, fundadora da Badu Design, um negócio social de geração de renda para mulheres em situação de vulnerabilidade social.
  • Lucas Koch, fundador da AdoroViajar, uma startup de experiências turísticas avaliada por investidores em 5 milhões de reais.

O Epistemia é realizado pela Polímatas, uma rede de empreendedores que trocam conhecimento de gestão e negócios. O Empreendedorismo Rosa apoia o evento porque compartilha da visão que o empreendedorismo é um motor de transformador social do país através da geração de emprego e renda e acredita que uma das melhores formas de se capacitar empreendedores é através do compartilhamento de conhecimento.

O Epistemia acontece no dia 26 de abril das 19h às 22h no auditório da Universidade Positivo da Praça Osório. Interessados devem fazer inscrições no site www.epistemia.co.

Leia Mais

*VOCÊ NÃO ESTÁ SOZINHA!

Por Empreendedorismo Rosa

E elas continuam nos inspirando, desta vez postagem incentivadora ao nosso trabalho, vem da podeROSA leitora Marina Dôliveira, do Blog Plenejamente. Confiram abaixo:

“Este ano eu tive o privilégio de participar do Programa LEAN IN CIRCLE em Curitiba, encabeçado pela moderadora Lênia Luz e também fundadora da empresa Empreendedorismo Rosa. Já adianto que não é apenas no nome, a Lênia é uma pessoa que ilumina propósito e inspira pessoas!

O curso cobre o programa Centered Leadership, de Joanna Barsh, consultora do Lean in Circle, projeto idealizado pela Sheryl Sandberg – COO do Facebook.

Joanna estudou os traços em comum de mulheres líderes e, com isso, estruturou um modelo de liderança chamado Centered Leadership (ou, no português, “liderança centrada”), com 5 dimensões determinantes para uma boa liderança profissional e que também exerce influência na satisfação pessoal (sim, a FELICIDADE!). São elas:

  • Significado
  • Enquadramento
  • Conexão
  • Engajamento
  • Energia

Assim, baseado neste estudo, o Programa não apenas incentiva as mulheres a perseguir suas ambições (sim, temos muitas ambições!!), mas ensina como as 5 dimensões podem nos ajudar a potencializar nossos talentos e gerar autoconfiança para atingirmos nossos objetivos.

Segundo Joanna Barsh, a “liderança começa com a gente mesma. Depois de desenvolver suas capacidades, as mulheres conseguem espalhar essa energia e confiança aos outros a sua volta e, o mais importante, conseguem mudar o sistema”.

Hoje, posso dizer, com certeza, que sou uma mulher renovada pelas experiências que vivi no Programa e quero compartilhar este mundo de possibilidades com tantas outras mulheres que eu puder alcançar, assim como eu mesma fui alcançada!

Aproveito para registrar o meu agradecimento à Fernanda Michalski, amiga e conselheira, que me inspirou a fazer o programa do Lean In. E mais uma vez à Lênia por ter aberto a oportunidade da minha participação! GRATIDÃO.

MAS POR QUE ESTE PROGRAMA E NÃO TANTOS OUTROS?

Primeiro, eu quero deixar registrado o que este Programa NÃO é.

Este Programa NÃO é uma proposta de conhecer a história feminista de luta pela igualdade de gênero. Sim, vamos acabar falando sobre a condição da mulher, mas não iremos discutir o machismo ou praticar o femismo (mulher achar que é superior ao homem).

A proposta do Programa é gerar autonhecimento, nos fazendo identificar nossos pontos fortes e derrubar crenças que nós mesmas nos rotulamos. Para isso, precisamos entender quem somos e onde queremos chegar, afastando o “autosabotador” que existe dentro da gente e que nos faz desistir diante das dificuldades – que são muitas, sim!

O Programa é uma inspiração contínua, te faz conhecer algumas mulheres… uma delas, você mesma, sob um outro olhar, e outras mulheres que participarão contigo desta jornada, compartilhando seus desafios e medos, que, por sinal, são, se não os mesmos, muito parecidos com os seus.

Não estamos sozinhas! Como defende o Lean In, ao trabalharmos juntas, podemos mudar a trajetória de novas mulheres e criar um mundo com mais PODER! Somos privilegiadas por ter esta oportunidade de acesso ao crescimento educacional e de gênero. Por isso, FAÇA ACONTECER.

E O QUE EU, MARINA, TENHO A DIZER DO CURSO?

Eu vivenciei este Programa como o botão PAUSE da televisão. Aquele momento de desligar o som, parar o movimento e enxergar cada detalhe da nossa vida que está passando neste momento, aqui, agora, e não percebemos!

Afinal, esta frase acaba encaixando como luva: “aquilo que faz ´tic tac´ no seu pulso não é o relógio, é a sua vida!”.

E quantas vezes não nos vemos vivendo a vida no piloto automático, sem lembrar do “por quê” e “como” chegamos até aqui!

Nesta loucura do dia a dia, acabamos não tendo um tempo nosso para PAUSAR, olhar para trás e para o hoje, e agradecer, assim como olhar para frente e dizer, é lá onde quero chegar!!

E este curso é isso: reservar um tempo para você, por você!!

Todos temos um propósito, uma história de vida enriquecedora, somos fonte de inspiração…. mas, por vezes, deixamos o medo tomar as rédeas da nossa vida e quando a gente se dá conta, acabamos perdendo uma oportunidade, duas, três…. !

Ta na hora de mudar, concorda?

O Programa te fará trocar o tom dessa conversa, de “não podemos fazer nada” para “SIM, PODEMOS FAZER TUDO!”

Abaixo a foto da turma que participei e das mulheres inspiradoras e PODEROSAS que conheci:

 

Lean In 10

 

ME CONTA MAIS SOBRE O “LEAN IN CIRCLE”?

É um Grupo fundado e inspirado pela experiência da Sheryl Sandberg, COO do Facebook, a partir do livro FAÇA ACONTECER da executiva (“Lean in”, na edição em inglês).

No livro, Sheryl compartilha sua experiência quando Vice Presidente de Vendas Globais e Operações Online do Google e como COO do Facebook, ao ter vivido situações como não encontrar um banheiro feminino no andar da diretoria em uma empresa de um grande cliente; assim como, ela grávida, ter percebido que não havia vagas de estacionamento para gestantes.

Com isso, acabou se questionando de que poucas mulheres se encontram em cargos de alta liderança, o que a fez compartilhar estas e outras experiências e aprendizados neste livro.

Como o reflexo deste movimento gerou um alcance enorme e positivo, fundou o Instituto LEAN IN (https://leanin.org), com o objetivo de desenvolver mulheres do mundo inteiro para que se encontrem e desenvolvam suas habilidades.

Todo o material e conteúdo destes programas é produzido pela matriz, nos Estados Unidos, que faz a distribuição para os “Círculos”, que são pequenos grupos que se reúnem para protagonizar e apoiar esta iniciativa. Existem mais de 30.000 círculos em 154 países e em mais de 900 campos universitários.

A Lênia Luz é a moderadora do Círculo Lean In em Curitiba no Paraná por meio do Empreendedorismo Rosa. Em 2016, o Grupo de Curitiba foi inclusive citado pela própria Sheryl em sua timeline.

CÍRCULOS E O EMPREENDEDORISMO ROSA
Eu quero! Onde consigo mais informações? Estão previstas duas novas turmas do Lean In Circle em Curitiba. Veja AQUI! “

Confira o texto na íntegra acessando o Blog Planejamente. 

 

Leia Mais

Criatividade para viver: Qual é a sua?

Por Empreendedorismo Rosa

Em março celebramos o Dia Internacional da Mulher e o Dia Internacional da Felicidade, respectivamente nos dias 8 e 20. Unimos estas duas datas e seus temas e preparamos um dia especial para você, MULHER que faz acontecer.

Não importa se você empreende ou não, se deseja empreender ou não, se quer mudar de carreira, de relacionamento, de cidade ou de identidade. O importante é que de fato queira ser feliz e venha se unir a nós, no dia 11 de março, sábado, no evento “EU FELIZ“, onde teremos pROSAS de empoderamento pessoal e profissional, com 7 mulheres que, como você, batalham e encaram suas vidas de frente e com a felicidade na bagagem.

Será um dia de muito networking, boas risadas, boa comida, boas pROSAS e muita felicidade e você poderá adquirir seu ingressos de acordo com sua disponibilidade de tempo. Mas desde já lhe desafiamos a separar este dia todo para você, afinal, para sermos felizes temos que nos permitir, confere?

 

Fonte da Imagem Empreendedorismo Rosa

Fonte da Imagem Empreendedorismo Rosa

Nossa sétima pROSA será com a colunista Bárbara Stainsack, com o tema: “Criatividade para viver: Qual é a sua?” . Bárbara é empreendedora e fundadora da Mel e Limonada – Design de Ambientes. Atuou no mundo corporativo por 10 anos e depois de ser vista apontando pro céu chamando o Homem Aranha resolveu mudar de vida e de carreira. Impulsionada pela vontade de empreender, vem se aventurando desde 2014 em construir novos negócios.
Acredita que todo ser humano é criativo e multipotencial por natureza e que quando todos descobrirem isso, será possível construir um mundo novo e muito mais feliz – sem a ajuda do Homem Aranha
Nossa programação segue abaixo:

10h – 11h – Lênia Luz : Boas – vindas e pROSA: “ Felicidade, para que te quero?”
10 minutos para um cafezinho

11h10 – 12h – Déborah Alves: “Empreender sem sair do emprego: Você consegue!”
12h10 – 13h – Tatiana Verri: “Planejando o planejamento: Hora de fazer valer!”
Almoço com pROSA ( 13h10 )

14h10 – 15h – Tereza Cristina Karam: “Nunca é tarde para se movimentar”
15h10 – 16h – Vivian Botelho Coginotti: “Finanças: de vilã a melhor amiga”
10 minutos para um cafezinho

16h10 – 17h – Caroline Farias dos Santos : “Gestão de Conflitos: os meus, os seus e os nossos”
17h10 – 18h – Bárbara Stainsack: pROSA: “Criatividade para viver: Qual é a sua?”
18h – Encerramento com brinde DOC DUO

Inscreva-se logo pois as vagas são limitadas: https://www.sympla.com.br/eu-feliz__118225

Leia Mais