Empreendendo “com sangue nos olhos”

Por Bárbara Stock

Confesso que tenho vivido dias difíceis e de bastante reflexão. Agora, frases de pessoas que não deviam importar tanto batem no meu peito e fazem doer, coisas do tipo “se você trabalha tanto como diz e tem tantos problemas para resolver, então você não é uma boa administradora!” ou “só gente muito rica tem tantos incêndios para apagar!” No meio de minhas meditações a respeito das empresas, da vida e do que tenho feito e deixado de fazer (viver), junto a algumas frases soltas ao vento, mas que vieram muito a calhar para o momento, chego à seguinte conclusão: “You lose, you learn!” by Alanis Morissette. Tá, você pode estar dizendo: “Nooossa, ela descobriu o Brasil!” Não, não descobri, mas senti na pele o quão verdadeiro isso é e o quão poderoso e impulsionador isso pode ser.

Quem nunca?! Quem nunca enviou um e-mail cheio de expectativas, sabendo o quão brilhante ele estava e… nada? Nenhuma resposta, simplesmente o silêncio do outro lado da tela! Quem nunca recebeu promessas de negócio fechado… e nada? Nenhuma satisfação? Quem nunca foi ignorado pelo menos uma vez nessa vida, mesmo sabendo que tinha ouro a oferecer? E essas coisas causaram quais reações em você?

Photo Credit: kaneda99 via Compfight cc

Ouvi essa semana que o mundo não seria mundo se só existissem pensamentos positivos e não existissem os pensamentos negativos e, parando para pensar e avaliar minha vida, chego à conclusão que isso é a mais pura verdade. Vieram-me lembranças de coisas realmente grandiosas (para mim, pelo menos) que realizei e lembrei que muitas foram porque eu estava com sangue nos olhos, furiosa com a dúvida de alguém em relação a minha capacidade ou pelo fato de ter sido “ignorada” por outros “alguéns”. A sensação de “agora vou mostrar quem sou e o que sou capaz de fazer e construir”, às vezes é muito construtiva e combustível para ideias brilhantes serem executadas com perfeição.

Não tem a ver com rancor, tem a ver com: não podemos esquecer quem nos ajuda nem tampouco podemos esquecer quem nos nega, quem nos atrapalha propositalmente de continuar evoluindo em ritmo bom. São esses que muitas vezes nos fazem ir além até do que tínhamos em mente no princípio, isso é combustão para um verdadeiro empreendedor, que pode até se abalar com uma ou outra pedra no caminho, mas desistir, jamais! Afinal, perder uma batalha não significa perder a guerra e, em muitos casos, é preciso ser inteligente e dar passos para trás para, então, dar passos para frente novamente, mas com mais firmeza e resiliência.

Eu sempre encontro na música uma forma de me proteger, defender ou até julgar, o fato é que tudo na minha vida (por menor que seja) tem uma trilha sonora. Acabei de escrever esse artigo numa madrugada (nos embalos de meus pensamentos de sábado à noite) em 15 minutos. Claro que o tema já estava definido, mas em minha clausura desse lindo sábado e em gozo de minha juventude, optei por um crescimento e aprofundamento de minha mente.

“You live, you learn
You love, you learn
You cry, you learn
You lose, you learn
You bleed, you learn
You scream, you learn

Você vive, você aprende
Você ama, você aprende
Você chora, você aprende
Você PERDE, você aprende
Você sangra, você aprende
Você grita, você aprende”  Alanis Morissette

0 Comentário

  1. ligiasantosilva@gmail.com'
    Ligia Silva 2 de setembro de 2014 10:08 Responder

    Boa tarde Bárbara,

    Espero que veja esta mensagem, porque queria verdadeiramente dar-lhe os parabéns por falar toda a verdade e por ter a coragem de demonstrar a sua vulnerabilidade, acredito mesmo que os dois lados são precisos e são eles que nos fazem ser como realmente somos. Acredito que por vezes é a raiva que nos leva agir e a sermos mais, só acho é que pode acontecer a nossa ação apenas depender dos momentos em que temos essa raiva dentro de nós e aí torna-se um ciclo vicioso. Mais uma vez grata pela sua partilha. Um beijo grande e muito sucesso!

      • barbararstock@gmail.com'
        Bárbara 4 de setembro de 2014 00:53 Responder

        Olá Ligia, tudo bem?
        Muito obrigada por prestigiar meu artigo!
        Concordo plenamente, temos que ter cuidado para não virar um ciclo vicioso se só tivermos esse tipo de pensamento nos impulsionando. Acredito que o verdadeiro empreendedor sempre se mantém com essa combustão que cito no artigo, mas essa, gerada por diversos sentimentos e cada um em seu tempo certo (paixão pelo que faz, principalmente). E isso sim deve ser o ciclo vicioso. 😉 Sucesso a todas nós!!!!

      • chiamposter@gmail.com'
        Elizabeth Tadiello 2 de setembro de 2014 12:55 Responder

        Muito Bom, Bárbara! Concordo com vc, na verdade, devemos antes de qualquer coisa nos reconhecermos “humanos”. Temos SIM, nossos baixos, bem como, nossos altos, agora, a vida é composta pelos dois, e, se assim não tivermos maturidade, sensibilidade, e até mesmo “fragilidade” para isso reconhecermos, estaremos todos fadados ao fracasso emocional. SUCESSO!

          • barbararstock@gmail.com'
            Bárbara 4 de setembro de 2014 01:13 Responder

            Muito obrigada, Elizabeth. Tenho certeza do quão importante as vezes pode ser esse “botar pra fora” e dividir experiências não tão boas, justamente para não chegarmos a esse naufrágio emocional que você mesma citou e que infelizmente acontece com alguns. Sucesso a todas nós!!! 😀

          • contato@formades.com.br'
            Taís Bonilha 2 de setembro de 2014 14:02 Responder

            Olá Bárbara!!!

            Quero dizer que você não está sozinha, eu também, como empreendedora tenho me sentido da mesma forma frente as incertezas, as faltas de retorno e resposta. Se texto soou aos meus ouvidos da mesma forma como comecei meu comentário: “Você não está sozinha”.

            Hoje mesmo escrevi no meu blog sobre como vivemos na incongruência simplesmente porque acreditamos que temos de estar a altura das expectativas alheias e o quanto isso é prejudicial.

            http://taisbonilha.wix.com/taisbonilhawixcomformades#!#SemMaquiagem-#SemFiltro/c1fjn/96E426EC-B042-4CA4-90D8-B02E12D84480

            Obrigada por expressar o que muitas de nós sentimos!!!

              • barbararstock@gmail.com'
                Bárbara 4 de setembro de 2014 01:24 Responder

                Olá, Taís. Primeiramente, parabéns pelo artigo que escreveu no seu site (amei a analogia que fez). Também me reconforta saber que #naoestamossozinhas e que com esse apoio, fica mais fácil vencer. Sucesso para nós!!!! 😀

              • analucia@gmx.net'
                Ana Muenzner 2 de setembro de 2014 18:35 Responder

                Bárbara,
                Obrigada por compartilhar de sua vulnerabilidade com tanta sensibilidade.
                Tenho observado que os “nãos” são portas que se fecham para nos forçar a olhar para outras que estão se abrindo e, as vezes, resistimos a perceber.
                Com os mais sinceros votos de sucesso!
                Ana

                  • barbararstock@gmail.com'
                    Bárbara 4 de setembro de 2014 01:30 Responder

                    Obrigada você Ana, por perceber meu sincero “desabafo” e me prestigiar com suas palavras. “É importante manter o coração na frente sempre”, frase da CEO do blog que aqui lemos, Lênia Luz. Sucesso a todas nós!!! 😀

                  • daniela delfini de campos 3 de setembro de 2014 10:37 Responder

                    Mais um parabéns pra vc! Sei como é gostoso o feed back dos textos que escrevemos! Eu me identifiquei imensamente com você! Vale a pena viver estes momentos tão “nossos”, eu sinto exatamente o mesmo que você e faço o mesmo também, Música, reflexão, depois a raiva transformada em garra pra lutar e transformar! E assim a gente vai nesse ciclo constante de sensações e tudo sempre mudando!!! Amém! rs! Parabéns! Adorei!

                      • barbararstock@gmail.com'
                        Bárbara 4 de setembro de 2014 01:35 Responder

                        Realmente muito boa a sensação de receber bons feedbacks, Daniela! De pessoas como vocês então… de espírito e sangue empreendedor, melhor ainda!!!! Aqui me sinto em casa, sem medo de me expressar porque sei que aqui é o meu lugar. Parabéns pelos artigos incríveis que produz também, espero trocarmos muitas figurinhas ainda. Bjo grande!!!!

                      • mivoneneto@gmail.com'
                        Maria Ivone 18 de setembro de 2014 14:00 Responder

                        Nem todos os orçamentos resultam em pedidos fechados. Nesse caminho empreendedor vou aprendendo a também lidar com frustrações que faz parte do cotidiano de todos nós, em todos o sentidos de nossas vidas. Filtrar as lições tem sido meu lema, para seguir adiante. Percebo todos os dias que perdas e ganhos se transformam em desafios. Tristezas e alegrias estão em nosso roteiro e assim vamos trilhando esse caminho aprendiz.

                          • barbararstock@gmail.com'
                            Bárbara Stock 18 de setembro de 2014 18:28 Responder

                            Concordo plenamente Maria Ivone. Saber lidar com as frustrações e filtrar as lições por elas deixadas é um dos principais pontos de um verdeiro empreendedor e acredito que somando o NÃO DESISTIR, chegamos lá! Beijos Rosa!

                              • dguisouza@yahoo.com.br'
                                Denise souza 19 de setembro de 2014 08:30 Responder

                                É, ainda tenho muito que aprender…
                                Amei o artigo!!
                                Bjs

                            Deixe um Comentário

                            O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

                            *

                            quinze − dez =